O matte painting é uma técnica de ilustração digital com a qual se criam cenários e paisagens, utilizando ferramentas como o photoshop. Com essa técnica é possível criar ambientes realistas, imaginários e fantásticos. Por conta disso o matte painting está presente tanto na publicidade quanto no cinema, expandindo a possibilidade criativa desses meios e tornando a execução dessa visão criativa muito mais viável. 

Quando se fala em técnica de matte painting, não existe exatamente uma fórmula ou uma regra a ser seguida. Cada profissional adapta a técnica da forma que acha mais assertivo para o seu processo.

Minha criação não é linear, mas o que vou apresentar para vocês é o que costumo seguir, e o que acredito ser a mais viável para quem deseja se aventurar nesse mundo.

Confira, por tópicos, meu processo para desenvolver um cenário de matte painting.

– STORYTELLING/COMPOSIÇÃO
– REFERÊNCIAS
– PESQUISA (BANCO DE IMAGEM)
– BLOCAGEM
– AMBIENTAÇÃO
– REFINAMENTO (LIMPEZA E AJUSTE DE MÁSCARAS)
– COLOR GRADING
– FINALIZAÇÃO

MATTE PAINTING?

Você está precisando de uma composição de Matte Painting?

STORYTELLING

A definição de storytelling é basicamente “contar uma história”, utilizando de uma narrativa envolvente, e trazendo o leitor/espectador para dentro da sua atmosfera.
O storytelling é a base de tudo. É ele que nos guia no começo, meio e fim, e através desse ponto inicial definimos a: temática, clima, hierarquia e disposição de elementos da composição. 

Estas etapas irão ajudar você a passar a mensagem de forma fácil e simples para o visualizador.

COMPOSIÇÃO

É uma das etapas que caminham lado a lado com o storytelling. A composição é basicamente como as coisas irão funcionar umas com as outras dentro da sua fotografia.
Para uma fotografia profissional nos baseamos das seguintes regras:

Proporção áurea;
Regra dos terços;


Assim definimos os pontos chaves da imagem, dividindo-a por quadros e utilizando as intersecções das linhas. Essas regras são criadas para tornar harmônica a fotografia com os elementos de storytelling.
Particularmente utilizo e indico bastante o uso da regra dos terços no meu trabalho.
Veja o exemplo abaixo, onde os elementos mais importantes da composição encontram-se próximos ou acima das intersecções das linhas dos terços, deixando assim em evidência o que deve ser destacado na cena.

MATTE PAINTING?

Você está precisando de uma composição de Matte Painting?

Além do uso das regras, você pode criar guidelines, ou linhas guias, na sua imagem.
Veja a imagem abaixo. Todos os elementos que foram utilizados na cena apontam para o foco principal: O PORTAL. Assim você está guiando o olhar do observador para o elemento de destaque.

REFERÊNCIAS

Definido o storytelling,  inicio a etapa de pesquisa de referências visuais.
Algumas vezes você tem a sorte de encontrar em apenas 1 imagem todas as referências que você precisa para criar, mas na maioria das vezes é interessante separar em um mood board as referências de clima, temática, ângulo de câmera etc.
Procure o máximo de referências possível, pois elas vão te ajudar a facilitar o seu processo na hora de criação.
Entre as ferramentas que utilizo para buscar referência estão Behance, que utilizo bastante. Mesmo quando eu não estou criando nada eu gosto de navegar por lá e separar algumas imagens que são interessantes que podem vir a ser úteis em algum momento,  lá também é possível criar galerias para separar as referências.
Pinterest também é um lugar interessante para pesquisar referências.
Artstation é um lugar muito amplo de referências para tudo. Por fim, uso também o próprio Instagram. Existem diversos perfis que compartilham artistas do mundo todo e sempre procuro estar atento a todos lugares, pois quando menos se espera, surge um insight para uma nova arte.

PESQUISA

Para mim, a pesquisa dos assets (imagens que você vai utilizar) é a etapa mais importante, é nessa etapa que você precisa escolher bem as imagens que conversem umas com as outras, pois é isso que vai fazer você ganhar tempo na hora que começar a montar sua arte em definitivo.

É uma etapa que pode levar tempo, mas pense nela como um investimento e não uma perda, pois é com uma boa execução dessa etapa que você vai ganhar tempo lá na frente. Você pode muito bem achar uma imagem legal, pensar “NOSSA ESSA IMAGEM É PERFEITA PARA O QUE ESTOU IMAGINANDO”, mas aí você nota que ela tem a luz para lado oposto, que o clima não é exatamente o mesmo, e esse tipo de “detalhe” vai lhe trazer uma dor de cabeça enorme lá na frente, pois 95% das vezes essa imagem não vai funcionar bem. 

Ideal é que todas as suas imagens sejam escolhidas desde o início com ângulos parecidos, clima e iluminação similares para que facilite o processo de ambientação desses assets e você alcance resultado mais próximo do real. 

Pois essa é a grande sacada do matte painting, criar cenários que as pessoas não vão conseguir distinguir se é real ou falso. Portanto leve bastante a sério a etapa de pesquisa, pois é ela que vai dar o rumo para sua imagem, que vai dizer quanto tempo você vai levar para produzir determinada imagem. 

Aqui vou deixar uma lista dos bancos de imagem que eu costumo utilizar nos meus trabalhos separados por pagos e free.

PAGOS:

FREE:

– Pexels
– Pixabay
– Pxhere
– Unsplash

3 DICAS:

– Muito importante quando você fizer suas buscas: a maioria dos bancos de imagens são estrangeiros, alguns deles até aceitam a busca na língua portuguesa, mas sempre procure por termos em inglês, pois com toda certeza você vai encontrar mais resultados. 

– Não desista nas primeiras 10 páginas de busca. Já houveram projetos meus em que fui até a página 500 para achar a imagem que eu buscava. Então nessa etapa é preciso ter paciência para encontrar o que se está buscando.

– Nunca use imagens que não tenha permissão, que não sejam de banco de imagem pagos ou free. Pois isso pode lhe trazer problemas com relação a direitos autorais.

MATTE PAINTING?

Você está precisando de uma composição de Matte Painting?

BLOCAGEM

Na etapa da blocagem é onde eu começo a testar as imagens que eu estou encontrando na minha pesquisa, analisando como elas irão funcionar na composição. Costumo fazer a blocagem de forma mais grosseira mesmo, com a marca d’água dos bancos de imagem. Para ser assertivo na escolha das imagens antes de começar a trabalhar nelas e para preservar os créditos do banco de imagem que são pagos.

Basicamente, posiciono cada elemento onde eu vou querer utilizá-lo e observo como ele se comporta com a composição, algumas vezes faço pequenos ajustes de cor só pra ver se consigo encaixar ele. Nessa etapa é importante testar tudo para quando partir para a próxima etapa você consiga ser assertivo na sua escolha de assets.

AMBIENTAÇÃO

Na parte da ambientação, é onde vou começar a fazer os ajustes de cor e luz nos assets para que eles comecem a se integrar. Vou trabalhando máscaras e ajustes para conseguir a melhor transição possível entre cada uma das imagens, você sempre precisa estar atento aos valores de branco e pretos de cada asset, por isso eu costumo usar duas camadas para me ajudar na ambientação, uma camada em preto e branco, onde eu consigo ver tanto as luzes quanto as sombras, assim consigo ajustar cada luz de cada asset para que fiquem iguais. Na fotografia existe uma questão que tudo que estiver próximo da lente da câmera sempre vai ser mais contrastado e nítido, sendo assim tudo que for indo para longe da sua “lente”, vai ser mais lavado e sem resolução a chamada perspectiva aérea, onde lá no horizonte você vê aquela “neblina”.

Para conseguir um ajuste de tons eu costumo utilizar uma camada de cinza mais escuro por cima setado em luminosity no blending mode do photoshop, através dessa camada conseguimos ver todas as cores e intensidades, assim eu consigo trabalhar cada asset individualmente para ambientá-lo.

REFINAMENTO

Depois de ter feito toda ambientação do cenário, costumo fazer um refino em todos os assets, vou conferindo todas as máscaras, transições e ambientação de cada um. Faço também uma limpeza de elementos que podem ser considerados ruídos na cena.

COLOR GRADING

No processo do color grading eu trabalho contraste, temperatura de cor, saturação, nitidez e detalhes de cor. É o momento em que vamos trazer o clima que queremos ter na imagem finalizada, com base nas referências que coletamos no início do processo e na história que vamos contar.

FINALIZAÇÃO

Imagem pronta, são feitos alguns ajustes gerais para dar um toque final e trazer um pouco de nitidez com high pass. Gosto de criar algumas vezes um ajuste com câmera raw, para fazer algumas leves melhorias de luz, sombra e na imagem por um todo. Finalizo com uma vinheta no entorno da imagem.

SOBRE MIM

Em suma, estes são os passos que eu sigo em meu processo de criação de matte painting. Eu sou Alison Koller, tenho 29 anos e estudo matte painting e manipulação de imagem há 5 anos. Meu fascínio pelo Photoshop começou desde os 15 anos de idade, quando iniciei meus estudos em manipulação de imagem, e conheci o trabalho de Jack Usephot – Primeiro Brasileiro a sair na abertura do Photoshop em 2014. Jack é um dos profissionais que mais me inspirou, e me inspira até hoje a correr atrás do meu sonho.  Atualmente trabalho com a Cronic, uma agência de comunicação digital multidisciplinar, onde tenho a oportunidade de colocar em prática, entre outras skills, meu trabalho de matte painting.

Inclusive, foi um material desenvolvido em uma campanha da Cronic que me inspirou a escrever esse artigo. 

“Balneário Camboriú 2100” foi uma campanha na qual criamos uma visão futurista da cidade. O objetivo era se conectar com o público de BC, cidade na qual a Cronic está situada, através de muita pesquisa de tendências tecnológicas, referências de cultura pop, storytelling e um material visual rico e instigante. Confira a imagem desenvolvida para a campanha, junto com o link para fazer o download dela em alta qualidade:

DOWNLOAD EM ALTA RESOLUÇÃO

Você pode usar essa imagem, só não esqueça de mencionar os créditos